Carga geral supera pela primeira vez os granéis líquidos
Pela primeira vez, a carga geral superou os granéis líquidos como principal agregado de mercadorias movimentadas nos portos nacionais. As cargas embarcadas, com a exportações a ajudar, cresceram 25%.
 
No ano passado, a carga geral (fraccionada e contentorizada) movimentada nos principais portos nacionais atingiu praticamente os 32 milhões de toneladas, total que compara com os 24,9 milhões de 2012. E com isso, o peso específico no movimento global dos portos nacionais passou de 36,6% para os 40,3%.
 
Os granéis líquidos, por sua vez, representaram 30,7 milhões de toneladas (38,7% do total global) em 2013, valores que comparam com os 26,7 milhões de toneladas e os 39,3% de 2012.
 
Os granéis sólidos foram os que menos cresceram e, por isso, perderam mais peso relativo: em 2013 representaram 16,6 milhões de toneladas (20,9%), quando em 2012 valeram 16,3 milhões de toneladas (24,1%).
 
Setúbal manteve o primado nacional na carga geral fraccionada na carga ro-ro. Nas demais categorias, Sines foi o líder incontestado.
 
Puxadas pelas exportações, as cargas embarcadas nos portos nacionais avançaram 25% em termos de volume, tendo passado a representar 43% do total nacional. Foi em Sines que as cargas embarcadas mais cresceram (47,8%), mas foi também no porto alentejano que elas tiveram menos peso específico: 38% contra os 62,6% de Setúbal, os 58,3% de Viana do Castelo ou os 57,2% da Figueira da Foz.

T&N

© APIBARRA 2007 - Todos os direitos reservados   |   Produzido por ETNAGA