Investimento da Repsol em Sines aumentará o número de navios
Além da expansão do Terminal XXI, o primeiro-ministro José Sócrates procede hoje, igualmente, ao lançamento do projecto de ampliação do complexo petroquímico da Repsol em Sines. É um investimento estimado em 850 milhões de euros que permitirá duplicar a capacidade do seu actual complexo. A Repsol passará a produzir em Sines polietileno e polipropileno, dois químicos usados na indústria de plásticos para a agricultura, tubagens ou sector automóvel, duplicando a facturação anual do complexo para 1,2 milhões de euros.
Trata-se da construção de duas novas fábricas de polímeros (polietileno e polipropileno), com capacidade total de 600.000 ton/ano (fábrica de polietileno (PP) - 300.000 ton/ano e fábrica de polipropileno (PEL) - 300.000 ton/ano), e ampliação da unidade de co-geração e do cracker, com entrada em operação para 2011, prevendo-se que 70% da produção se destine ao mercado externo.
Para além dos 1.500 empregos gerados na fase de construção, a ampliação do complexo criará 120 novos postos de trabalho directos e indirectos quando entrar em operação.
Para Sines este investimento implica o aumento do número de navios e de matéria-prima movimentada no porto, por via dos seus terminais petroquímico e de granéis l íquidos, associado ao abastecimento das fábricas de polímeros e expedição do acréscimo da produção de butadieno, e, subsequentemente, a movimentação de produto final - polímeros PP e PEL, sob a forma ensacada e em contentores, através do Terminal XXI de Sines.

in Cargonews 460

© APIBARRA 2007 - Todos os direitos reservados   |   Produzido por ETNAGA