Mais cruzeiros esperados nos Açores em 2012
O Governo dos Açores está determinado em continuar a criar as condições para que se possa “rentabilizar ao máximo” a presença crescente de navios de cruzeiro na Região, sendo que esse é um trabalho que “deve ser desenvolvido em conjunto entre as entidades públicas, as entidades representativas dos empresários e os próprios empresários”, considerou esta sexta-feira, em Ponta Delgada, o Secretário Regional da Economia.

Vasco Cordeiro, que falava durante a apresentação da época de cruzeiros para 2012, realizada pela empresa Portos dos Açores SA, salientou o facto de esta actividade ter gerado, nos últimos cinco anos, um impacto directo na economia regional de cerca de 10 milhões de euros, garantindo que o Governo “ambiciona mais”, sendo esse um desafio “que não se coloca apenas às entidades públicas, mas também a todos os agentes económicos da Região”.

Durante o próximo ano, a Portos dos Açores SA, por comparação com o ano passado, prevê que o número de escalas de navios de cruzeiros aumente nos Açores de 94 para 133, sendo que o número de passageiros deverá chegar aos 113 mil (87 mil em 2011).

 

Para o Secretário Regional da Economia, “mais importante do que o número de navios ou de passageiros que escalam os Açores são os benefícios económicos que a Região pode retirar desta aposta”. “Este é o grande desafio que se coloca aos Açores e é este desafio que justifica a realização dos investimentos que têm sido concretizados ao nível da construção de infra-estruturas, mas também no esforço de promoção dos Açores”.

“Da parte do Governo esta é a mensagem chave: apraz-nos registar este crescimento de número de navios, mas nós temos de nos focar no que realmente é essencial, e o essencial é o que esta oportunidade representa para a nossa economia”, referiu. “Nós temos de fazer um esforço de criatividade, de inovação, de empreendedorismo para retirar o máximo beneficio deste potencial”, considerou.

“Julgo que este é o grande desafio: como é que podemos, toda a economia dos Açores, rentabilizar ao máximo aquele que é o potencial que a presença de navios de cruzeiros apresenta para a nossa economia?” questionou o governante, garantindo haver grande empenho do Governo “no reforço da capacidade de aproveitamento desse tipo de iniciativas, o que passa por uma cada vez melhor articulação com entidades privadas, com as entidades que representam os empresários, caso das Câmaras do Comércio, e com cada um dos empresários que tem aqui uma oportunidade para fazer negócio”.

Segundo Vasco Cordeiro, o turismo de cruzeiros possui diversos atrativos para os Açores, como é o caso “dos grandes navios que tocam um porto ou dois durante um dia e que funcionam como uma poderosa ferramenta de promoção da Região, mas que também deixam riqueza cá, e dos cruzeiros temáticos, com um potencial muito grande ao nível do seu impacto económico em cada uma das ilhas que visitam”.

Para o Secretário Regional da Economia, todos devem, por isso, “ambicionar ainda mais: do ponto de vista das entidades públicas, de continuação do esforço de promoção, que pode e deve conduzir a que a região se afirme de forma mais incisiva no panorama nacional, mas também das entidades privadas, no sentido do aproveitamento das potencialidades que cada uma destas circunstâncias pode trazer para os Açores”.

NL APP 34

© APIBARRA 2007 - Todos os direitos reservados   |   Produzido por ETNAGA