Governo quer concurso para novo terminal de contentores em Sines lançado este ano

A Ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, desafiou a Administração do Porto de Sines a concluir rapidamente os estudos prévios para poder lançar, ainda este ano, o concurso público para a construção do novo terminal Vasco da Gama.
 
"Tivemos hoje conhecimento das estatísticas referentes à movimentação de contentores no Terminal XXI e o que se verifica é que, com mais de 162 mil TEU (medida standard utilizada para calcular o volume de um contentor, que significa Unidade equivalente a 20 Pés) movimentados, obtivemos os melhores resultados de sempre do terminal", disse Ana Paula Vitorino, depois de apresentar a Estratégia Para o Aumento da Competitividade Portuária, nas instalações da Administração dos Portos de Sines e do Algarve, em Sines.
"Em 2016, ultrapassou-se o limiar de 1,5 milhões de TEU movimentados no terminal XXI", disse Ana Paula Vitorino, acrescentando que o crescimento consistente do porto de Sines no tráfego de contentores nos últimos dez anos, mas também em 2016 e em Janeiro de 2017, fazem com que as intervenções e os investimentos se tornem mais urgentes, "porque o porto de Sines não pode esgotar a sua capacidade".
De acordo com a ministra, além da renegociação com a PSA para o aumento de capacidade do Terminal XXI "de 2,1 para 3,1 milhões de TEU", sendo que as obras terão de estar concluídas até 2020, está igualmente prevista a construção do novo Terminal Vasco da Gama.
O concurso público para o Terminal Vasco da Gama, que vai permitir, na primeira fase, a duplicação da capacidade de movimentação de contentores no porto de Sines, estava inicialmente previsto para 2018, mas a ministra do Mar considera que é necessário andar mais depressa, face ao crescimento registado dos últimos anos.
Nesse sentido, Ana Paula Vitorino lançou o repto à administração portuária para que avance rapidamente com todos os estudos necessários, para que seja possível lançar o concurso público ainda este ano, até porque acredita que o porto de Sines é a principal porta atlântica da Europa e reúne as condições necessárias para ser um dos maiores portos europeus.
"Aquilo que foi um crescimento que passou de 25 mil TEU em 2005 para mais de 1,5 milhão de TEU em 2016, quer dizer que podemos ambicionar, na próxima década, ter um crescimento - segundo a meta que eu fixei - de 283%. Com isso podemos ter uma posição mais destacada do porto de Sines", justificou.
A ministra sublinhou também a possibilidade de o porto de Sines vir a ser uma central de recepção e expedição de GNL (Gás Natural Liquefeito), reduzindo a dependência da União Europeia da Rússia, no que respeita ao fornecimento deste tipo de combustível.
Além dos grandes investimentos previstos para o porto de Sines, a ministra do Mar destacou também os principais projectos previstos para os portos nacionais, no âmbito da Estratégia para o Aumento da Competitividade Portuária.
A renegociação dos terminais de granéis líquidos e de contentores no porto de Leixões, a melhoria das acessibilidades ferroviárias e uma aposta no desenvolvimento da área logística ao porto de Aveiro e o aprofundamento dos canais de acesso aos portos da Viana do Castelo, Figueira da Foz, Leixões e Setúbal, são alguns dos projectos que a ministra do Mar quer ver concretizados para que os portos portugueses sejam cada vez mais competitivos.
Segundo Ana Paula Vitorino, os projectos previstos na Estratégia Para o Aumento da Competitividade Portuária têm um custo global estimado de 2,1 a 2,5 mil milhões de euros, sendo que 83% deste montante será financiado por investidores privados que têm manifestado esse interesse ao Governo português.
De acordo com a ministra, o Governo tem recebido manifestações de interesse de potenciais investidores chineses, indianos e europeus, bem como de alguns portugueses que pretendem ter uma participação nos projectos a desenvolver nos próximos anos nos portos nacionais.

© APIBARRA 2007 - Todos os direitos reservados   |   Produzido por ETNAGA